Browsing Tag

reflexões

Bate papo

Calmaria

As vezes, a gente demora pra se dar conta… mas dentro de nós, é tanto barulho que nem percebemos. Tanto acúmulo de energias que na maioria dos casos nem são boas… Vamos somatizando tudo, muitas vezes sem filtro – vai no automático – De repente, a gente entope! Entramos em erupção como se fôssemos um vulcão. Quando isso acontece, fica difícil distinguir o que é nosso e que nós mesmos absorvemos sem nos pertencer. O corpo logo manda sinal – é a cabeça que explode, o corpo que fica cansado, o coração que bate acelerado e a respiração que nunca completa.

Na correria do dia a dia, a gente fica muito exposto e simplesmente “parar 5 minutos” não dá. Pensamos que as horas passam depressa demais, e que não vai dar tempo de fazer tudo que temos que fazer. Mas, a verdade é que tudo se ajeita no final das contas, e se a gente acreditasse nisso sem nos desesperar, perceberíamos que administrar o nosso tempo não é tarefa tão árdua assim.

Ter 5 minutos para nós… para ser calmaria. É tão importante quanto estar a todo vapor, com a criatividade em dia, com os exercícios em dia, com os compromissos sociais e profissionais em dia.

Colocar pra fora nossas inquietações, mesmo que seja somente para Deus alivia muito. Ter um dia de folga para fazer aquilo que amamos, mesmo que seja simplesmente “não fazer nada” num dia de domingo… A gente não precisa se cobrar tanto e nem devemos somatizar tantas energias que não nos pertencem.

A fluidez do dia depende principalmente de nós. E isso começa ao acordar. Não podemos controlar  as adversidades mas podemos sim decidir não carregar o peso delas. Fazendo esse exercício diário, perceberemos a leveza da nossa mente, corpo e espírito.

Um bom domingo e início de semana para todos.

Bate papo

Não foi fácil mas foi preciso.

Eu sempre fui do tipo de pessoa que realiza diversas atividades ao mesmo tempo, e isso nunca foi um problema até que… o Ateliê ficou pronto. O ritmo de trabalho está acelerado (graças a Deus) e eu ainda trabalho sozinha – ou seja – sou eu e eu mesma para fazer tudo. Eu que tenho que produzir conteúdo, fotografar, editar, gravar, editar vídeo, dar os cursos, responder clientes, publicidade e prospectar alunos. Paralelo a isso, tenho uma casa pra administrar, uma salsicha danada pra cuidar e uma vida social que acontece nos momentos off lines, se é que eles existem rs… Não é fácil! E eu confesso pra vocês que eu ainda não to sabendo me organizar. Logo eu que.. sou a louca da organização.

No dia 30 de janeiro, o blog completou 4 anos e eu só me dei conta no final da semana (que bonito hein…). Isso significa que há 4 anos atrás, um passo muito importante foi tomado. Abri mão da CLT e então ser a minha própria chefe e mais uma vez volto a dizer, não foi fácil. Não é fácil rs.

Durante os 3 primeiros anos, dediquei massivamente ao blog e o canal, além do meu trabalho como maquiadora aos finais de semana. Era uma rotina gostosa, corrida e que eu amava, até chegar 2016 e eu ver a minha vida de cabeça pra baixo, totalmente bagunçada. Eita, ano complicadinho! Apareci pouco por aqui e até chegar janeiro deste ano (onde eu sinto que os tempos difíceis serão mais amenos) eu estava bemmmmm desmotivada com o blog e o canal. Dei uma pausa para pensar em tudo e ver se valeria a pena continuar e olha só o que eu estou fazendo agora… escrevendo para vocês.

Fato é que eu gosto disso aqui mesmo sabendo que hoje em dia, quase ninguém tem tempo para ler um post. O pessoal migrou para as outras redes e quem ainda mantém um cantinho como esse, é só alguém verdadeiramente apaixonado.

Mudei algumas coisinhas, organizei essa casa. Agora a missão é organiza a minha vida – tarefa espinhosa mas eu ei de conseguir. Tenho recebido muitos produtos legais que valem a pena uma resenha para vocês e esse foi um dos motivos por insistir nisso tudo. Compartilhar minhas experiências foi e sempre será algo que me dá imenso prazer, pois quando eu penso que posso ajudar de alguma forma quem está ai do outro lado, isso por si só já me rende um sorriso e um sentimento de satisfação muito grande. Afinal, para que tudo isso existiria senão fosse por esta razão não é mesmo?

Lembrei de como era blogar nos tempos de antigamente. Tudo era muito mais pessoal. Hoje em dia poucos se mantiveram assim. Eu mesma, fui nessa onda. De repente me vi fazendo um pouco mais do mesmo e restou um vazio.. Não quero mais isso! Quero voltar a ter os momentos mais intimistas com vocês. Não vou abrir mão das resenhas que são de fato, importantíssimas. Contudo, quero voltar a escrever sobre os assuntos que vão além do universo da beleza, por exemplo.

Quero compartilhar um pouco mais da minha vida offline. Minhas reflexões e inspirações. Espero que alguém esteja aqui para embarcar nessa junto comigo! Vocês topam?

Bate papo

A vida pede mais…

De mim. De você. De todos nós. Já parou para pensar no tanto que já viveu e no pouco que contribuiu? As vezes te bate aquela sensação de que não está sabendo aproveitar o seu tempo? A sua capacidade de se doar seja em benefício próprio ou para o outro?

Quantas coisas você poderia estar fazendo no seu tempo livre, mas acaba optando por ficar deitada no sofá, mexendo no celular? Sabemos que o ócio é importante e o corpo pede um descanso, mas será que não estamos descansados demais?

viva-sua-vida

A vida pede mais da gente. Pede que sejamos ativos, solícitos. Todos nós estamos aqui para contribuir, aprender e evoluir e se não fazemos nenhuma dessas ações, que desperdício tremendo estamos cometendo. Há quem diga que viver é um eterno perde e ganha – mas a vida tem me mostrado que até nos momentos de “perda” estamos tendo na verdade, uma chance de aprender com tal circunstância. E assim ganhamos sabedoria, maturidade e experiência.

Não faz sentido estarmos aqui sem colaborar com o universo. Precisamos começar a nos mexer. Fazer mais por nós mesmos e pararmos de reclamar. Ao invés de focar no problema, correr em direção à solução é muito mais interessante. Não é fácil ser forte diante de um momento delicado – mas Deus nos concede força todos os dias para que possamos superar todas as barreiras. Basta a gente se ajudar.

Quando nos ajudamos, mostramos a nós mesmos que somos capazes de ser muito mais do que imaginamos ser. Se agirmos com determinação e fé, realizamos tudo aquilo que sonhamos. Não é à toa que estamos aqui, mas somos nós que escolhemos como conduzir o nosso caminhar.

Nossas vidas são preciosas. Saibamos aproveitar o melhor dela, evitando o desperdício de tempo. Concentremos a nossa energia apenas no que for realmente importante e sejamos felizes.

Bate papo

Gente amarga, longe de mim.

Não! Eu não quero a sua ofensa disfarçada. Sai pra lá com a sua “crítica construtiva” que cá pra nós, de construtiva não tem nada. É só a maldade gratuita na sua língua afiada.

A gente tá aqui. Todo santo dia, e não é só por amor. Isso aqui virou trabalho (as vezes não remunerado – porque né, não é todo mês que a carteira sorri para nós). Sendo remunerado ou não, é um trabalho e existe compromisso. Então respeite esse lugar. Respeite essa casa que todo dia mantém suas portas abertas para que novas pessoas possam chegar.

Pessoas felizes, não tem tempo para espezinhar a vida do outro. Não se alimenta da falta de sossego do outro. Gente feliz gosta de ver a felicidade alheia. Não quero gente amarga perto de mim. Não preciso do seu “toque de amiga” sobre meu estilo de vida, a forma como eu me visto ou sobre a minha aparência de um modo geral. Você não quer me ver crescer ou melhorar, sua intenção é de acabar com a minha paz – porque sim, você fica satisfeita com isso.

Sabe aquele objeto que reflete a nossa imagem? Aquele bem antigo, chamado espelho. Aonde foi parar o seu? Se você perceber bem nos detalhes, verá que não há nada de perfeito em você. Consequentemente, em mim também.

Todos nós temos as nossas singularidades e talvez seja isso o que nos torna únicos. Não se incomode com amenidades. Tente me olhar de um jeito mais humano. Esse exercício vale a pena, pode apostar.

Quando você pensar em “criticar construtivamente” sobre algo tão pequeno, reflita e pergunte-se: Eu gostaria de receber essa “crítica”? Aquela velha história de “Não faça com os outros, o que você não gostaria que fizessem com você.” Continua valendo. Pense nisso e procure ocupar o seu tempo fazendo uma boa ação, se não for pelos outros – ao menos por você.

Mais amar – menos ferir.
Mais flores – menos espinhos.

A vida já anda tão difícil…

peony-background-31265-31999-hd-wallpapersd

“Pode chegar que a festa vai é começar agora
e é pra chegar quem quiser, deixe a tristeza pra lá
e traga o seu coração, sua presença de irmão
nós precisamos de você nesse cordão
pode chegar que a casa é grande e é toda nossa
vamos limpar o salão, para um desfile melhor

vamos cuidar da harmonia, da nossa evolução
da unidade vai nascer a nova idade
da unidade vai nascer a novidade

e é pra chegar sabendo que a gente tem o sol na mão
e o brilho das pessoas é bem maior irá iluminar nossas manhãs. Vamos levar o samba com união no pique de uma escola campeã. Não vamos deixar ninguém atrapalhar a nossa passagem.

Não vamos deixar ninguém chegar com sacanagem
vambora que a hora é essa e vamos ganhar
não vamos deixar uns e outros melar”

Bate papo Variados

Bate papo: O verdadeiro ato da caridade

Eu nunca gostei da frase: Faça bem para os outros que o retorno vem em dobro para você. Porque agindo dessa forma me parece que tudo se torna um jogo de interesses e trocas e isso esta muito aquém do verdadeiro sentido em ser solidário.

caridade-bate-papo

Quando quero e ajudo alguém faço isso pela simples e real vontade em ajudar. Sem esperar nada em troca. Eu sei, isso pode soar meio piegas e algumas pessoas até não entenderão. Mas isso sou eu. É claro que isso não me faz uma santa. Eu tenho minhas vaidades, minhas falhas.
O ato da doação pode ser de tantas formas e é simplesmente mágico quem realmente o faz pelo “bem”. O bem sem olhar a quem.
Sem esperarmos, o retorno vem. Isso é certo. Mas não que isso seja uma premissa para que possamos despertar o dom da caridade em nós mesmos. Até porque, quando falo em “dom da caridade” ele não tem ligação alguma com qualquer espécie de troca, a menos que esta seja de afetividade gratuita.
Pensem nisso!
Joyce Braga